Tags

E a colombina, cansada, retira do peito um delicado camafeu em formato de coração. O enfeite está emperrado, não se abre como deveria. Ela tenta recordar o que de tão importante guarda ali, mas a memória a preserva de imagens embaçadas. A preserva, talvez, de fotos arranhadas pelo tempo. Ou manchadas por lágrimas corrosivas. A colombina guarda a jóia num lugar seguro. Escondida dos olhares curiosos. Sabe que ainda é cedo para exibí-la novamente. Por enquanto, ela tenta preservar o brilho que o enfeite ainda mantem. Tenta protegê-lo das cinzas opacas do dia à dia…

Anúncios