O que a razão da vigília
Mantém distante do pensamento
O delírio onírico traz a tona
Num universo onde não tenho controle
Sua imagem surge
Com textura,gosto e cheiro
E lá eu provo da sua saliva
Sinto a temperatura da sua pele
O sabor de seus lábios,sua língua
Lá eu experimento
O toque de mãos atrevidas
Com a ausência apressada dos tecidos
A proximidade invasora de seu corpo
Lá eu sinto
O ritmo de sua respiração
A sua pulsação
Acelerando
Lá nos misturamos em carne e suor
Lá, nessa fantasia despudorada…
Num universo onde não tenho controle
Onde o sonho é apenas sonho
E quando o dia nasce
Se transforma em desejo inrealizável…
.
.
.

Anúncios