Improvável porém verdadeiro.
Na semana passada, no engarrafamento de todas as manhãs, eu vi, do ônibus, um grande coelho branquíssimo em cima do telhado musguento de um ferro velho. Meu primeiro impulso foi pensar que se tratava de uma ilusão. Um reflexo de dias e noites de sono picado. Ou um sinal de uma sanidade que se perdia.
Mas, logo ouvi, uma voz infantil exclamando: “Mãe olha o coelho!”
Nesse instante, todos os olhos semi acordados do coletivo se voltaram para aquela aparição inusitada. Por alguns minutos, todos ali sonharam nos movimentos do animal.
Quando me dei por conta de que deveria eternizar, digitalmente, a imagem com meu celular, o veículo reiniciava o movimento.
Mas cena ficou retratada na minha memória.
Talvez, não se deva fotografar os sonhos. Até mesmo os reais…

Por alguns instantes, fomos todos Alice…

Anúncios