Com o doce dos seus olhos
Os muros foram ao chão
E fora da fortaleza
Encontro nos seus braços
A segurança que não havia
Na minha antiga proteção

Feito guerreira, vejo
Que não há motivos pra guerrear
Sem escudos, nem armaduras
Fiz minha alma livre
Para te encontrar
E o corpo leve
A pele nua,
Para que você possa tocar

Sua voz mansa no meu ouvido
É meu novo hino
Meu toque de alvorada
Minha canção de ninar
E eu durmo em paz

O teu sorriso
Minha bandeira
Meu estandarte
Meu ideal

Sem minha espada
E nenhuma guerra
Me entrego à sua arte
Nossa dança ancestral

Você surgiu
E os muros foram ao chão
A fortaleza se desfez
Pedra e ferro você desmanchou
Com um olhar, um sorriso, uma palavra
E na batida do meu coração
E na batida do seu coração
Ficamos em paz…

Ao invés das paredes dos castelos,
Encontro agora, em você, a imensidão…

Anúncios