meu amor,
hoje o céu parece pender sob o peso das nuvens
e há notícias de que partes das cidades estão submersas

espero que as botinas protejam seus passos
e o grande guarda chuva abrigue suas ideias

não fique chateado por trocar as rodas pelos sapatos
e os pedais pelos pés

há algum vento
não o que vem com o gosto da liberdade
que sente quando pedala pelas avenidas
mas um vento
que leva aos poucos a intempérie embora
para que o asfalto ressurja das poças
e as águas não se derramem do céu

meu amor
em breve o céu volta ao azul
e poderá percorrer os caminhos
em seu cavalo de alumínio
mãos no guidão
e olhos no infinito

e meu coração em alegre sobressalto
como sempre irá disparar
ao ouvir o som antigo da buzina
que te anuncia

meu amor
não fique chateado
que hoje não é dia de pedalar
é só uma chuva
já vai passar
é chuva chamando o verão
melhor seria
se enquanto chove
você pudesse ficar…

dueto

Tags

, ,

eu tenho vivido poesia
escrevo em parceria
olhares
gestos
ações
carinhos
e risos

e declamamos palavras
sem rima
nem métrica
que a outros ouvidos
são só palavras
dessas comuns
que dizemos todo o tempo
mas que, para nós,
são versos
nossos versos do dia a dia

eu tenho vivido em poesia
nós vivemos em poesia
sem esforço
sem perceber
nossa vida poema
em parceria…

Crianças grandes

Nosso cotidiano é cheio de responsabilidades e afazeres, no cumprimento de compromissos, como o de todo mundo. Mas, ainda somos crianças. Olhamos maravilhados para o que,  aos olhos dos outros, são coisas bobas, coisas tolas ou invisíveis. Reparamos no simples e encantador que se esconde da visão dos mais apressados, dos mais sisudos, dos mais sérios. Valorizamos o que colore o dia e bota o sorriso no rosto.  E aproveitamos cada instante de alegria espontânea e aparentemente sem motivo.

Ainda somos crianças. Não aceitamos que exista injustiça. Nos chocamos com o mau que existe. E queremos que o mundo mude. Acreditamos que podemos mudar o mundo. E se não for o mundo, que mudemos ao nosso redor. Que mudemos a nós mesmos para melhor.

Ainda somos crianças. Em esperança e vontade. Em sentidos e sentimentos.

Somos crianças. E, quando damos as mãos feito namorados, é como se fosse o início de uma brincadeira sem fim.  Quando damos as mãos como namorados, a criança que sou eu, segura forte a criança que é você, pois duas crianças unidas são como heróis, invencíveis.

Somos crianças. E como crianças nos amamos, com o coração imenso e transbordante. Em doce ternura e inocente malícia. Um amor que é só nosso e que nos faz crescer para sermos ainda mais crianças.

Sim, ainda somos crianças.

E espero que para sempre…

 

 

Amor, segura a minha mão, não solta não, tá…

 

 

 

 

4 letras elevadas ao ∞

Não é só palavra
Não é só sentimento
Não é apenas um ato
Não há nada que o define
Quando a tudo envolve
E a tudo está envolvido
Na ausência de um significado
Pois tudo o significa
O que se conhece e que se vive
Pois só vivendo que se realiza
O que de tão simples não se explica
E de tão único não se traduz
Em seu termo tão conhecido
Que já não cabe
Já não faz jus
Mas, para que se faça saber,
É o que uso, mesmo sem condizer,
Em tamanho e qualidade,
Mas, acrescente o que há de bom,
De autêntico e maravihoso,
Neste mundo e nos outros,
Quando digo que o que sinto,
Que o que vivo,
Tem nome de amor

nossa estação

Mesmo sob as nuvens cinzas
De um inverno frio
É sempre quente e acolhedor
Nos sorrisos e abraços
Nas carícias e carinhos
Todos os dias são verão
Ou melhor, primavera
Sob nosso teto
Sob seu abrigo
Entre seus braços…

Há sempre flores
Coloridas e perfumadas
Mesmo, quando lá fora
As folhas caem
Há sempre flores
Mesmo quando não as vemos
Há sempre flores ao nosso redor
E o cheiro do amor…

 

Chopp e teatro
Em seu ombro
Um cochilo no bus

Portaria
Elevador
Home sweet home

Banho
Microondas
Cobertor

Adormeço ao seu lado
Assistindo seu sono de poucas horas
Despertamos antes do Sol

Entre bocejos
Alguns beijos
E você põe o pé na estrada

Desejo da janela
“Boa viagem!”
Vários quilômetros
Ida e volta

Aguardo seu retorno
Quando a noite se firmar no céu
Home sweet home
Meu amor
Fiz de você o meu lar…

A medida do amor

É mais
Mas não é demais
É do tamanho que deve ter
Cabe no entardecer
Numa noite de luar
E num universo que não para de crescer

É mais
Mas não é demais
Tem o tempo que deve ter
Cabe em milhões de vidas
Na história do mundo
E se estenderá até a última estrela morrer

É mais
Mas não é demais
É da intensidade que deve ter
Como uma flor se abrindo
Ou mil vulcões em erupção
O Big Bang ou asas de borboleta a bater

É mais
Mas não é demais
É como deve ser
Sem tirar nem por
Como quer meu coração
Assim, é o meu amor por você

É mais
Mas não é demais…

na mochila

Você chega à noite pedindo perdão
Por ter ficado preso na arena
Encarando mais um leão
E me beija docemente
E me abraça sem medo
De magoar algum arranhão
Que possa ter
Sob a pele, sob a mente,
Sob o sorriso mais lindo
Que você sorri pra mim

Você volta da batalha
E me enche de carinhos
E eu fico feliz porque você está aqui

Você chega à noite pedindo perdão
Quando eu gostaria de me desculpar
Por não poder enfrentar
Os leões no seu lugar

Meu guerreiro, meu gladiador

E quando surge o dia
Eu boto escondido
O meu coração  na sua mochila
Antes de você sair
Pra te acompanhar

E espero que os leões se amansem
E o show possa continuar
E você volte ileso pra casa
Contente e feliz
Volte sorrindo o sorriso mais lindo
Que você sorri pra mim…

E saiba que eu te amo tanto

Que eu te amo mais que tudo mais…

Eu boto escondido
O meu coração na sua mochila
Antes de você sair…

“É só o amor…”

Ultimamente, tenho escrito mensagens, bilhetes e cartas. Palavras entregues apenas ao seu destinatário. Declaradas entre sorrisos ou sussurradas ao pé do ouvido. Palavras enluaradas ou ensolaradas, mas sempre repletas de cor e luz.

Minha vigília agora é diurna. E se sonho acordada, é porque vivo o sonho. Um sonho doce e descomplicado. De um amor que só dói uma dorzinha boba, uma dorzinha boa que tem hora pra começar e pra acabar. Uma dorzinha chamada saudade, que chega a ser gostosa pois é certo e breve o seu fim.

E vou vivendo um sonho chamado realidade, que é melhor que qualquer devaneio. Um beijo de boa noite, outro de bom dia e outro de boa noite e tudo mais que ocorre entre eles. Todos os olhares, sorrisos e carinhos. Todas as conversas, telefonemas e recadinhos. A despedida pela manhã com jeito de seriado antigo. O abraço com cheiro de café e pasta de dente na porta do apartamento. O beijo lançado da janela junto com um aceno. No fim do dia, o reencontro…

E tudo é tão especial e simples, como tudo que é natural. Talvez, como nós, seja esse o segredo que permeia a natureza: o amor. Essa força invisível e silenciosa que  vibra incessantemente em todo universo. E que só fui capaz de compreender quando você entrou na minha vida. Pois, por mais que se tente, só é possível entender esse amor sentindo. Só é possível entender esse amor vivendo. E só mesmo você, para me fazer sentir. E só mesmo você, para viver isso comigo.

E se escrevo menos, é porque a felicidade não cabe em  frases, nem em versos. E meus textos ficam tão pequenos para o que sinto e vivo, que se tornam minúsculos pontos desbotados se comparados à imensidão de um universo de galaxias, constelações e planetas.

E depois que você surgiu, tudo ficou mais belo. E depois que você surgiu, tudo ficou melhor. E depois que você surgiu, tudo parece mais fácil.

E se algo não sai como o esperado, desligamos o motor e deixamos que a serra nos guie em silêncio enquanto apreciamos o pôr do sol. Sem pressa e com amor, o litoral surge. O mar prateado pela lua e salpicado estrelas… Com muito amor… E tudo fica bem e vira história pra contar.

Eis o mistério do amor…

E eu durmo e desperto em sonho. Um sonho que vivo com você. Um sonho real.

E é tanto amor…

Se você tiver sono
Eu tenho o colo
E desejo bons sonhos
Se tiver fome
Eu peço uma pizza
Ou aprendo a fazer bolo
Tiro da mochila um chocolate
Se quiser passear
Eu ponho os pés na estrada
Ou tiro a bicicleta da garagem
Se quiser risada
Eu faço cócegas
Ou alugo uma comédia
Se estiver triste
Eu encontro motivo pra alegrar
E se não encontrar
Tenho ombro pra te consolar
Se começar a desanimar
Eu serei teu apoio
Pra que não pense em desistir
Se tossir
Eu busco um xarope
Se espirrar
“Saúde!”
Se tiver cheio de energia
Eu te ajudo a gastar
Se quiser festejar
Eu faço um brinde
Se tiver chama
Encontrará em mim combustível
(pro seu foguete espacial)
E se quiser ver estrelas
Não tem dia claro
Ou céu encoberto que possa impedir
E se em algum momento
Tempestades surgirem
Mesmo com o guarda chuva quebrado
Eu estarei ao seu lado
Pra lembrar que depois
Virão dias de sol
Se você quiser saber o porquê
De poder contar com a minha companhia
Aconteça o que acontecer
Digo que é tão pouco o que ofereço
Se comparado à alegria que me dá
E à imensidão do meu amor…

É doce, leve e intenso
Nosso amor de brigadeiro de panela
“Bom dia!” de cara amassada
Cabelo desalinhado
Sorriso imenso
Só por despertar ao seu lado
Beijos para despertar bem

É doce, leve e intenso
Nosso amor de pimenta na pizza
Em tardes de show particular
Sessão preguiçosa de cinema
Em abraços ou amassos
Na frente da tv

É doce, leve e intenso
Nosso amor de cuba libre
Conversas e assuntos
Confidências e planos
Olhares e toques
“Boa noite!”
Em céu estrelas
Em colchão de ar
Ou descanso em sonhos doces
Quase tão doces
Quanto a realidade que encontramos
Ao acordar

É doce, leve e intenso
Quente e acolhedor
Nosso amor com sabor de amar

queria saber cantar
ou tocar algum instrumento
e assim, poder fazer canções de verdade
não essas que chamo de canção
mas que são só palavras
letras infileiradas
apenas fonemas

eu queria saber música
para juntar notas
numa canção
que pegasse carona nos ventos,
ressoasse pelos oceanos
e chegasse aos seus ouvidos
suave e bela
como o som do mar numa concha delicada
uma música que, para os seus dias,
marcasse um ritmo alegre e animado
e que, para as sua noites,
fosse a mais doce canção de ninar

eu queria saber música
para compor para você
uma canção de amor…

longe ou perto, estou e estarei contigo

Meu coração está contigo, eu já disse, você sabe. Mas, não canso de repetir: Te amo. Te amo!
E, onde estiver, estarei contigo, mesmo quando meu corpo não se faz presente. Seja nas estradas de paisagens poeirentas, seja acompanhando a margem dos rios ou pelas irregularidades da serras. Seja nos solavancos dos ônibus, no balançar das barcas, no caminhar das calçadas, no pedalar livre pelas ruas ou no acelerar do motor em duas rodas.
Mesmo quando eu não estiver do seu lado, estarei contigo. Em pensamento e sentimento. Em mente e afeto. Enviando o meu amor para te acalmar nos momentos críticos, te inspirar a novas idéias, te lembrar quando algo for esquecido, te apoiar quando algo parecer difícil, te revigorar quando bater o cansaço. E também, comemorar cada vitória sua e sorrir a cada sorriso que surgir no seu rosto. Com a certeza de que toda felicidade que tiver é mais que merecida e que, se há justiça no universo, terá ainda muito e muito mais para se alegrar.
Mesmo nessas distâncias temporárias, que o dia a dia às vezes impõe, saiba que estou e estarei sempre contigo, escutando sem que o som chegue ao meu ouvido, o seu dedilhar em algum instrumento. Provando sem que o sabor chegue à minha boca, algumas das suas invenções culinárias. Jogando sem tocar no controle, alguma partida animada de videogame. E de olhos fechados, mas de peito aberto, estarei em mente e coração velando seu sono, desejando-lhe os melhores sonhos e uma noite de bom descanso e paz.
Meu coração está contigo. Sempre. E, não canso de repetir: Te amo. Te amo!

Mas, prefiro quando posso dizer baixinho, ao pé do seu ouvido…

é o que tem e que importa

a voz mais gostosa, que ao longo do dia,
diz “amor” do outro lado da linha

o abraço mais caloroso
que manhã de primavera
(quase verão)

o sorriso mais belo e doce
que todas as tortas
e brigadeiros das confeitarias

o olhar mais brilhante
que essa Lua cheia
que hoje afastou o meu sono
(olhar de Sol)

e tem em si mais vida
que toda uma floresta tropical…

e possui um coração,
que se não batesse como bate,
por amar a todos
e a tudo que deve ser amado,
nem batesse como bate
por se importar com tudo
e com todos que são realmente importantes,
poderia ser um coração considerado
latifúndio no peito
de tão grande…

quando as palavras não bastam

É engraçado isso. Que feliz contradição. O que traz a tona os meus melhores e maiores sentimentos, ao mesmo tempo faz com que a minha escrita fique envergonhada. Minhas frases e versos sejam insuficientes para dar vazão ao que me desperta, ao que me transborda. E toda tentativa de expressão não chega perto do tamanho do que sinto, nem de quem você é.
É como tentar descrever o cintilar multicolorido de um prisma pelos raios do sol ao final da tarde. Ou a sensação envolvente das ondas do mar embalando o corpo numa noite de verão. Ou o respirar profundo do ar da montanha, que preenche muito mais que os pulmões. Ou o som de um riacho, tendo em harmonia o barulho dos ventos nas folhas, o canto de alguns pássaros e o assobiar suave e distante de uma flauta. Ou o tempero saboroso de algum prato simples, que por algum motivo, tem um gosto inigualável. É como tentar explicar o que é a felicidade ou os mistérios da vida.
Nesse intento, não tem dicionário que me ajude. Eu precisaria de centenas ou milhares de volumes para apenas dois verbetes: meu amor e você.

TE AMO!

E tem horas que o melhor a fazer é guardar as palavras, deixar que os sentimentos se revelem apenas nos atos e gestos. Ou, só pronunciá-las no ouvido de quem as inspira.
Sei que, às vezes, o amor precisa ser gritado a plenos pulmões ou escrito em letras garrafais.
Mas, na maioria das vezes, devemos deixar que o amor seja dito em sussurro ou na forma de sinais que só os que se amam reconhecem.
E que, ele possa sempre ser sentido. E, como coisa que se sente, em silêncio, o amor seja percebido, no peito e no olhar…
E que, ele possa sempre ser vivido. E, como coisa que se vive, no dia a dia, o amor seja vivenciado, em tudo que se faz…

E eu te amo tanto…

E você me faz tão feliz.

E eu quero tanto te fazer feliz.

E, às vezes, o amor precisa ser gritado a plenos pulmões ou escrito em letras garrafais…

em fé

Faço uma oração ao cosmo
Às estrelas
Aos planetas
À Terra
À natureza
À Deus
Aos deuses
E às deusas
E aos santos
E às santas
E aos anjos
Forças que nem sei se acredito

Faço uma oração
De todo o coração
E peço em fé
No amor
E com todo amor que sinto
Que você seja protegido
De toda e qualquer dor
De todo e qualquer mal
E esteja sempre bem
Amém

 

E o sol renasce e um azul suave recobre o céu.
Tento manter o peito sereno como este dia.
É preciso que se tenha paz para poder oferecê-la.
É preciso que eu sinta paz, para que a minha paz chegue, junto com todo o amor que envio, ao meu amado.
E assim, faço do meu coração um céu de serenidade, para que o meu grande amor encontre a paz que precisa…

espaço

E a Colombina faz do seu amor um mar. E espera que a tempestade passe e voltem as ondas calmas. A Colombina faz do seu amor um mar e espera, que em balanço suave, o mar traga o seu amado Pierrot de volta.
E a Colombina faz do seu amor uma vasta paisagem. E espera que o verde retorne brilhante aos campos e, nas árvores, as folhas ressurjam cheias de vida, assim como as flores e os frutos. A Colombina faz do seu amor uma vasta paisagem e espera que a natureza traga seu amado Pierrot de volta.
A Colombina faz de seu amor o céu. E espera que as nuvens desapareçam, para que o azul reapareça e um sol radiante ilumine nossos dias. A Colombina faz do seu amor um céu e espera que os bons ventos toquem as asas de seu amado Pierrot e o tragam de volta.
A Colombina faz do seu amor a imensidão. Porque assim é o amor da Colombina. Um amor sem grades, nem correntes. Porque para que em amor haja laços, não é possível que existam os nós entre o nós.
E a Colombina faz do seu amor uma imensidão e espera que esse amor seja capaz de acolher e proteger o seu Pierrot amado em sua jornada. A Colombina faz de seu amor uma imensidão e espera, que na imensidão, seu amado Pierrot encontre o caminho de volta…

do amor

E depois da distância vem o reencontro. E os instantes de proximidade em que o amor toma a forma dos pequenos gestos. Porque mais do que nas ações grandiosas, ou nas declarações espetaculares, o amor reside nos pequenos atos, nessas pequenas jóias do cotidiano, que só quem ama é capaz de perceber e dar valor.
O amor se revela na simplicidade. Num aceno radiante da janela, nos beijos de olá e nos que vêm depois. No abraço que ficou guardado por dias e que na hora que acontece, para desapertar o coração, faz os braços apertarem bem apertado. No botar os assuntos em dia e se encher de alegria a cada novidade, a cada alegria vivida pelo outro. No rir, rir muito, rir junto. No cantar desafinado (meu caso) enquanto o amado consegue ser a coisa mais linda e tímida do mundo, tocando afinado algum instrumento e cantando baixinho.  Reside em ser meio criança e não esquecer como brincar.  Reside no admirar o outro em seus afazeres sem que ele perceba. No admirar e admirar. E ficar admirada por não saber como alguém consegue ser naturalmente incrível. No compartilhar um chopp na mesa do bar, ou uma coca-cola na pia da cozinha. No compartilhar o mesmo copo, o mesmo prato, o mesmo gargalo. Compartilhar as felicidades e as atribulações.  E comemorar junto cada vitória, não pelo ganho, mas por saber que foi desejada e batalhada e, principalmente, pelo seu significado para o outro. Comemorar junto cada brotinho verde que surge no pinheiro. E torcer com esperança para que os pássaros nos visitem.
Reside no ser o conforto e o descanso para o outro. E, no outro, poder encontrar conforto e descansar. No beijo sonolento de boa noite e no beijo ainda meio adormecido de bom dia. E no que ocorre entre um e outro.
No desejar o corpo do outro no seu corpo até que não haja limites entre ambos, até que ocorra uma combustão dos sentidos. No dar e receber prazer.
E o amor reside nos recados e telefonemas. Nos olhares e silêncios. O amor reside também nos instantes em que não há movimento algum. E, ainda assim, quem ama, é capaz de perceber a maravilha de seus gestos…

Enquanto o meu grande amor transita entre caixas estereofônicas, instrumentos melódicos, acessórios microfonados ou por peças cromadas, capacetes brilhantes e equipamentos para duas rodas motorizadas, eu, com o coração repleto de saudades, sinto o meu peito se encher de alegria. Uma alegria que só cabe ao amor, pois só nele reside. Estar alegre junto, mesmo quando se está longe. Porque só em amor que o distante e o perto se misturam. Enquanto a saudade cresce e aperta o peito, a felicidade vivida pelo ser amado faz o coração se estender por milhas e milhas, até encontrar e sentir o que sente o outro coração.

E assim, conto ansiosa, os segundos até a sua volta…

bilhete de até logo

Meu grande amor,

Nesta noite quente, que na verdade é madrugada, meu coração se aperta pensando na temporária despedida. Mas, ao mesmo tempo se alegra, ao saber que é breve a partida. E que, nem a distância de relógios e lonjuras, que parecerão maiores do que são por conta das lentes da saudade, poderão diminuir o que faz feliz os nossos corações.

Nesta véspera da sua eventual partida, guardo comigo os seus olhos que contém um céu de estrelas. Guardo o seu sorriso solar. Seu rosto lindo. Sua constelação de pintas. Seu cabelo entre os meus dedos. A sua voz animada em conversa. A sua risada. Guardo o som do seu sono. Seus abraços e beijos. O seu gosto. O seu cheiro. O toque de suas mãos. As texturas e temperaturas do seu corpo. Seu ombro, meu travesseiro mágico que me traz doces sonhos.

Guardo comigo as suas ideias e ideais. Suas músicas e filmes. Livros e desenhos. Só não guardo comigo, na sua ausência, os seus  fantasmas da TV, porque me assustam, quando não estou sob a sua proteção. Guardo as suas fotos antigas. Seus mapas e futuros destinos. Guardo um verde pinheiro e o desejo que os pássaros se tornem visitantes habituais.

Guardo, ainda mais bem guardado, o que você é, que de tão bom e especial, não se consegue explicar. Guardo tudo isso e acrescento os melhores e maiores sentimentos, que como fermento em período de descanso, só fazem crescer.

Guardo e aguardo ansiosa o seu retorno.

E te envio o meu coração…